Tábua atuarial: o vilão desconhecido

O nome pode soar estranho, mas as tábuas estão por trás dos populares planos de previdência privada. Ou seja: se você tem um investimento para aposentadoria complementar, saiba que esse instrumento é uma das referências para os cálculos de expectativa de vida feitos pelas seguradoras. Sendo assim, a tal tábua não é tão estranha e sim uma das variáveis mais importante em um plano de Previdência Privada, isto porque em alguns casos a diferença da renda Mensal pode girar em torno de 55%.

As seguradoras calculam a renda que será paga no futuro, na hora de resgatar o investimento, considerando a estimativa de quantos anos o participante do plano poderá viver. Para fazer esses cálculos, as instituições nacionais utilizavam até o ano de 2010 as tábuas de vida da população dos Estados Unidos, como as chamadas AT 49, AT 83, AT 2000 – o número nas siglas refere-se ao ano que cada uma delas foi elaborada.

Mas, no ano de 2010, as Seguradoras no Brasil elaboraram a sua própria tabua de mortalidade a BR-EMS e trouxe uma enorme diferença na renda aos consumidores Brasileiros que fizerem seus planos a partir de então, mas essa diferença foi muito negativa e reduziu o valor da renda que irão receber na sua aposentadoria.

A maioria das seguradoras e empresas de previdência privada está adotando, em seus cálculos de renda mensal vitalícia, a BR-EMS, a mais moderna das chamadas tábuas que medem a sobrevida que o segurado tende a ter a partir de determinada idade. O assunto é técnico, ligado à atuária ramo da estatística que estuda o seguro social-, parece distante do dia-a-dia, mas afeta diretamente o bolso dos clientes da previdência privada.

Tábuas mais modernas embutem maior tempo de vida média, reduzindo, consequentemente, o valor do benefício pago pelas empresas -embora outros fatores afetem os cálculos. A renda mensal vitalícia que as pessoas contratam nesses planos depende, basicamente, do montante acumulado e do número de anos que elas viverão recebendo a complementação da aposentadoria -além das taxas cobradas pelos planos etc.

Temos ainda no mercado algumas seguradoras que praticam a AT 2000 no mercado sendo um excelente e vantajoso negócio para os novos consumidores de previdência Privada, orientamos nossos clientes e amigos para não ser ater apenas na rentabilidade, mas também em qual é sua tábua atuarial.

Realizamos consultoria em previdência Privada, sem qualquer custo e avaliamos em que tábua atuarial Você se encontra.

Essa era a dica de hoje. espero que tenha gostado.

Clemon Alves
Especialista em Previdência Privada

16 comentários em “Tábua atuarial: o vilão desconhecido”

    • Prezado Alex,

      Obrigado pelas palavras, espero ajudar o nosso mercado de seguros, tão carente em profissionais nessa área de atuação.

      Abs.

      Clemon Alves

      Responder
  1. Atualmente tenho um plano de previdência privada com a tábua AT83, estava pensando em fazer uma portabilidade para um plano com um rendimento melhor, pelo que eu entendi da matéria não vale a pena. Gostaria de uma consultoria nos meus planos de previdência privada, como posso realizar esses tipo de serviço com vocês ?

    Responder
    • Prezado Bruno,

      Primeiro desculpe o retorno tão demorado , mas tivemos uma problema com nosso provedor e ficamos sem acesso ao BLOG.

      Realmente não vale a pena , mas também precisamos potencializar os rendimentos do plano , para ter resultado nas 02 situações , precisamos deixar um valor de reserva no plano atual ( para não encerrar o plano ) e buscar rentabilidade no restante da reserva e na hora da aposentadoria voltamos ao plano de origem.

      Podemos lhe ajudar nesse processo.

      Clemon

      Responder
      • Me encontro na situação do Bruno,
        Atualmente também tenho um plano de previdência privada com a tábua AT83, estava pensando em fazer uma portabilidade para um plano com um rendimento melhor, mas pelo que responderam ao Bruno não vale a pena.
        E foi sugerido a ele deixar uma reserva para não encerrar o plano e procurar uma rentabilidade melhor em outros tipos de investimentos.
        Mas quanto a voltar com o recurso para o plano de origem na hora da aposentadoria isso seria possível? pois não consigo mais fazer aporte nesta aplicação.

        Desde já agradeço

        Magaly

        Responder
  2. bom dia amigo!

    como posso consulta- lo?
    tenho 52 anos e uma previdência com AT 49 e prazo do término para 55 anos!
    posso fazer aporte ou depósitos complementares nessa conta?
    como será o pagto do benefício se a AT e 49 é já estou com 52?

    Responder
  3. Excelente matéria, Clemon.
    Gostaria de saber quanto eu receberia mensalmente vitalício de complemento de aposentadoria com um valor acumulado de R$1.000.000,00 de reais acumulado. Tenho um plano VGBL, com tábua AT 83, com idade de 60 anos.
    Você pode me informar?
    Obrigado.
    Att: Carlos Machado

    Responder
    • Prezado Carlos,

      Primeiro desculpe o retorno tão demorado , mas tivemos uma problema com nosso provedor e ficamos se acesso ao BLOG.

      Qual sua idade hoje??

      Clemon

      Responder
  4. Boa tarde,

    Estou procurando informações de como identificar a tábua atuarial do meu PGBL pois estou pensando em fazer portabilidade. Os senhores saberiam dizer se o banco/seguradora são obrigados a dar esta informação?

    Antecipadamente agradecido.

    Responder
  5. Clemon, excelente artigo. Trata assunto que não é comum nos canais de finanças e educação financeira.
    Tenho uma dúvida : a tábua atuarial é definida pela data em que o plano de previdência é criado ou pela data em nós aderimos a um plano já existente?
    Em outras palavras, hoje, eu consigo aderir a um plano de previdência com tábua atuarial mais antiga, a AT 2000, por exemplo?
    Grato.
    João

    Responder
    • Prezado João Moraes,

      Obrigado pelas palavras!!! Infelizemente hoje essas tabuas atuarial não estão mais disponivel no mercado.

      mas existem bons produtos de acumulação financeira na Previdência Privada .

      Obrigado pelo seu comentário.

      Clemon

      Responder

Deixe uma resposta para João Moraes Cancelar resposta